06 nov

Segmento de moda infantil é mercado atrativo e crescente no Brasil

Segundo o SEBRAE, a demanda para o setor é constante e tende a crescer.

O lojista que escolher atender a nicho específico de mercado, pode optar pelo setor de roupas, calçados e acessórios infanto-juvenis. O público-alvo desse segmento tem a faixa etária na fase de crescimento, o que consiste em uma demanda constante para o mercado de vestuário infantil.

O mercado de roupas infantis cresce em média 6% ao ano, segundo a Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

Cuidados gerais

Quando vamos empreender, devemos ficar atentos a alguns pontos antes de iniciar as atividades, como a concorrência do mercado, a localização do estabelecimento e os custos. É importante fazer pesquisa de mercado e verificar como estão os preços dos concorrentes, o padrão das lojas existentes; comparar as características dos potenciais clientes.

Já quando optamos por ser um franqueado, teremos a vantagem competitiva do franqueador, já que seus produtos e serviços já foram testados no mercado e a imagem de marca já está consolidada. O franqueado pode usufruir de descontos nos preços, de prazos mais longos e de pagamentos em condições especiais devido ao cadastro financeiro do franqueador já ser conhecido e respeitado.

As chances de um franqueado obter sucesso utilizando o sistema de franquia formatada pelo franqueador são maiores do que as chances de uma pessoa de quem empreende de forma independente. O franqueador já possui uma rede própria de distribuição, pode oferecer orientação e treinamento ao novo franqueado, pois tem interesse em manter a boa reputação da sua marca.

O empreendimento deve ser localizado em um lugar onde haja grande movimento de pessoas, como galerias, centros comerciais, shoppings ou ruas com grande circulação de pessoas. Para isso é preciso avaliar a relação custo-benefício do local escolhido.

Shoppings e centros comerciais apresentam custo elevado, mas são locais que tem grande circulação de pessoas. Se o empreendedor escolher o ponto fora dos grandes centros, terá que investir em divulgação, atendimento e promoções de forma a atrair o público, mesmo que exija um deslocamento maior.

Veja outros aspectos que precisam ser observados quanto à localização do novo empreendimento:

Capacidade de estacionamento (local ou próximo).

Local que permita o fluxo livre de pedestres.

Proximidade de estações e pontos de transporte coletivo.

Estrutura mínima

A variedade de produtos nos estoques também são um ponto importante para esse segmento. Essa manutenção de atender às estações e às tendências do mercado para o ramo infanto-juvenil. O empreendedor que deseja investir neste mercado deve estar atento à qualidade das peças que compra.

Quanto maior a frequência de entregas dos fornecedores em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, que também podemos chamar de índice de rotação de estoques.

Sendo assim, o estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.

Ambiente atrativo

Dentro e fora da loja, o visual merchandising é obrigatório quando se trata da comercialização de produtos voltados para o segmento infanto-juvenil.

A criação de um “cenário” que relacione-se com o público-alvo, a escolha de cores alegres e recursos de decoração, é algo muito importante, pois representa o mundo infanto-juvenil. Revestimentos, pintura, móveis, e iluminação são componentes que ajudam a obter uma estética favorável.

O primeiro contato que o consumidor tem com o produto ofertados é através da vitrine. Portanto, é essencial a vitrine seguir esse conceito do mundo infanto-juvenil e atender a expectativa do público.

Vale lembrar que para atuar nesse tipo de segmento, o lojista irá atender dois consumidores distintos: o cliente direto que vai se interessar ou utilizar o produto vendido e os responsáveis pela criança, que vão efetuar a compra.

É necessário observar os espaços necessários para circulação dos clientes, incluindo as adaptações necessárias para o acesso e atendimento de portadores de necessidades especiais. Os provadores devem ter espaço suficiente para a criança e o adulto acompanhante.

O empreendedor pode trabalhar com alguns diferenciais, como: priorizar produtos ecologicamente corretos, utilizar embalagens biodegradáveis, utilizar a estratégia de atendimento personalizado, criar espaços lúdicos, realizar promoções em redes sociais.

Artigos para bebês

A comercialização de artigos para bebês é um dos ramos promissores no varejo da moda. No entanto, a matéria prima utilizada pode ir além do vestuário, podendo ser comercializado diversos artigos de primeira necessidade, como produtos destinados a passeio e higiene do bebê.

A definição do mix de produtos a serem oferecidos deve levar em consideração o perfil dos seus públicos, pesquisar concorrentes, além de ouvir constantemente seus clientes, o que irá resultar em adaptações ao longo do tempo.

 

Fonte: SEBRAE

posts relacionados

Comentários

Deixe um comentário